Parto

Eu nunca fui num sarau.
Meus poemas são da boca suja,
sem ponto e vírgula
e som pra ouvidos.

Eu nunca levei minhas palavras pra transar.
Elas são assexuadas.
Se amam,
se traem,
pecam e pagam promessas.

Eu nunca criei rimas com intenção.
Sem ordem e obediência.
Por desejo ou carência.
Eu compus.
Eu menti.

Eu nunca escrevi nada.
Eu nunca escrevi nunca.
Eu nunca escrevi.
Eu nunca existi.
Eu nunca eu.

Só sou quem e o quê as palavras me deixam ser.
Em primeira e única pessoa.


Um comentário :

  1. NOSSA! QUE ISSO! Um dos seus melhores, Ariê. Curti MUITO! De verdade!

    ResponderExcluir