Faz-me

Lança-me à alma como a flecha que contra-ataca.
Rasga-me a carne como a navalha bem amolada.
Arranca-me o pranto como olhos de cegueira fraca.
Transforma-me em vácuo, que em si não acolhe nada.

Atira-me ao abismo e observa minha queda.
Oferece-me a mão que socorre como areia movediça.
Apresenta-se como duas face de uma única moeda.
Planta-me a ilusão como uma folha seca e quebradiça.

Enterra-me com flores sem pétalas, mas cobertas de espinhos.
Assombra-me como o vento noturno no inverno.
Segue-me sorrateiro para destruir os meus caminhos.
Arrasta-me para seus erros, que fazem da mim um inferno.

Devora-me ou liberta-me.

Um comentário :