sou filho da selva,
amigo do mar,
sobrinho do vento,
casado com o luar.

sou selvagem na natureza
que não é tão selvagem quanto eu.

sou meu coração ressecado,
olhos despidos de inocência,
uma casca de árvore,
prostrado em minha desistência.

minha alma canta com os pássaros,
mas eles não assoviam a ela em refrão.

Nenhum comentário :

Postar um comentário