Sou poeta da alma.
Sou palavras do vento.
Sou a alma de um poeta.
Sou o vento palavreado.
Se é que algo eu sou,
pois definir forma limitada do (meu) ser
não me torna alguém.
Se é que sou mesmo minha.
Serei eu ninguém de mim?
Dona ou ladra do que sou?

Nenhum comentário :

Postar um comentário