Prisioneira errante
desse espírito inquieto de (r)evolução,
dessa alma sem cura,
desses sonhos tão vivos,
fazendo-me escrava da minha loucura.

3 comentários :

  1. Quase sempre somos os escravos de nós mesmos.
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Escravos de nossa falta de liberdade.

    ResponderExcluir
  3. Liberta-se no papel. Afinal, loucura é uma das perspectivas no prisma.

    ResponderExcluir