(So)u palavras

Desde então, tenho escrito.
Sem tempo certo ou razão específica.
Permito às minhas mãos serem soberbas de palavras.
Deixando minha alma se materializar no papel.
Minha mente e meu espírito se tornam um gigante.
Me torno o que escrevo, passo a ser o que escrevi.
Transformo meu silêncio em poesia.

Um comentário :

  1. Mal setembro começou e esse já o melhor achado desse mês. Meus parabéns, estou gostando muito.

    ResponderExcluir