Compasso

O olho que um dia viu pela fechadura da porta
hoje chora acolhido, num canto contido,
a solidão por quem um dia esperou.
A boca que um dia sorriu
por entre mares e bares,
hoje perde o encanto dos dentes que lhe completavam.
A mão que um dia acalentava
seus pesares durante a madrugada,
hoje está descaída, treme sem mesmo tocar.
O coração que um dia pulsou em movimentos acelerados,
hoje bate lentamente,
no som quase inaudível que tem.
A cabeça que um dia foi feita,
perdeu-se em algum lugar,
esquece tudo fácil, outrora revive sonhos antigos,
vai e vem, foi e não mais é simplesmente alguém.

Um comentário :

  1. Eu poderia sugerir dois títulos: astrolábio e navega. Mas o que você escolheu, encaixa-se perfeitamente.

    ResponderExcluir