Por que celebrar apenas um dia
se todos são especiais
quando existe amor?
A vida é efêmera.
Ilusoriamente, acreditamos que é eterna.
Então, em vez de viver o agora,
fazemos dele uma rota para o depois.
Cultive o amor agora.
Faça dele o seu jardim
em outros corações.
Nem todas as plantas
precisam ser regadas para florescer,
mas toda vida precisa
ser adubada com sorrisos para permanecer.
Fecho os olhos e me conecto com a minha alma.
É um encontro de velhas conhecidas
que ficam um tempo sem se ver,
embora habitem o mesmo tempo e espaço.
Uma fica ali, em silêncio,
esperando que, a outra, que grita, se cale.
Só assim ambas podem se ouvir.
Sem palavras.
Quando se unem
e se tornam uma só.
Afinal de contas, são uma só.
Uma carne,
outra espírito.
Uma intensidade,
outra calmaria.
Uma perdida,
outra caminho.
Uma amor,
outra luz.
Juntas:
gratidão.
Sejamos, neste mundo de pedras na mão,
quem desarma com amor e (c)oração.
Quão superiores julgamos ser
a ponto de não nos permitir errar?
Ou, então, de não dar ao outro o direito ao tropeço.
Nosso maior erro é a pseudoperfeição.
Afinal de contas,
somos falíveis,
aprendizes,
humanos.